Santo André inicia testagem em massa para coronavírus com sistema drive-thru

Município aplicará mais de 27 mil testes em trabalhadores essenciais para verificar contaminação pela Covid-19

Das agências

Santo André começou nesta quinta-feira (7/05) a testagem em massa dos trabalhadores de serviços essenciais do município. O procedimento ocorrerá por meio de um sistema drive-thru, montado pela prefeitura e que custou mais de R$ 3 milhões.
“O nosso grande objetivo é desenvolver um estudo epidemiológico pra que a gente possa ter uma visão mais clara de como o vírus está se instalando na cidade de Santo André”, diz o secretário da Saúde do município, Márcio Chaves.
Para conseguir realizar o mapeamento da COVID-19 na cidade, 20 mil testes foram adquiridos pelo governo municipal para testar funcionários de estabelecimentos que prestam serviços considerados essenciais, como postos de gasolina, farmácias e mercados. Além disso, o Ministério da Saúde enviou 7.260 testes ao município para a aplicação em grupos que têm alta probabilidade de contágio, como profissionais da saúde e da segurança, e também idosos sintomáticos.
No sistema drive-thru, os motoristas são atendidos em tendas, onde o sangue é coletado pela ponta do dedo e um teste rápido é realizado, sem a necessidade de que a pessoa saia do carro ou retire sua máscara de proteção.
Em um destes testes rápidos, que fornecem o resultado em minutos, José Francisco Santana Silva, funcionário de uma loja de materiais de construção, descobriu que contraiu a Covid-19, apesar de não apresentar sintomas. “Estava trabalhando normal, não sentindo sintoma nenhum, nem dor de cabeça”, afirma.
Além de Santo André, São Caetano e São Bernardo têm feito a testagem. Neste momento, estão sendo testados trabalhadores do comércio em São Caetano. Já em São Bernardo do Campo, os testes estão sendo aplicados em profissionais da saúde.
O Consórcio Intermunicipal do ABC não descarta a possibilidade de lockdown na região, ou seja, de medidas mais rigorosas de isolamento social, caso a população não respeite as medidas de distanciamento social. Atualmente, a utilização dos serviços de Saúde já tegistra ocupação média de 80%.