Morando nega fechamento da Cidade da Criança

Prefeito afirma que parque será reaberto assim que atingir a permissão do Estado, na fase verde, seja com a atual permissionária, seja com uma nova

Das agências

O prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), postou em sua rede social na tarde desta quinta-feira (27/08) um vídeo em que garante que a Cidade da Criança não vai fechar. Ele afirma que na fase amarela do Plano São Paulo, parques temáticos não podem abrir, mas que assim que o município chegar à fase verde o local será reaberto, seja com o atual permissionário, o Expoaqua, ou outro. O vídeo foi uma resposta a comentários de que o parque temático seria fechado já que a empresa que administra o espaço através de contrato com a prefeitura, anunciou no dia anterior que estava rompendo o contrato por inviabilidade financeira da operação.
Com o fim do contrato entre o Expoaqua e a Prefeitura, cerca de 110 funcionários diretos e outros 50 indiretos devem perder o emprego. Pela manhã um grupo de trabalhadores realizou um ato em frente ao parque. Depois, uma comissão foi recebida pelos secretários Aparecido Chaves de Souza (Segurança Urbana) e Julia Benício (Governo). A Prefeitura informou em nota que “o espaço será reaberto na fase verde, que permite o funcionamento de parques temáticos”. A administração informa que recebeu, nesta quinta-feira (27/08), proposta de outra empresa interessada em assumir as operações do local. “A administração irá solicitar preferência para contratação dos atuais funcionários”,, destacou a prefeitura.
A Cidade da Criança está fechada desde março por conta da pandemia. O grupo Expoaqua, que também administra o Aquário de São Paulo, na Capital, sustenta que manteve o pagamento dos funcionários em dia durante os quase seis meses de parque fechado. “A impossibilidade de operação resultou em elevada perda de receita, que se impõe sobre um semestre inteiro sem perspectiva da abertura e, consequentemente, de faturamento. A
liberação de parques públicos, zoológicos, shoppings e outros espaços de entretenimento não se tornou extensiva à Cidade da Criança, embora a empresa tenha seguindo rigorosamente os protocolos propostos para garantir a segurança dos visitantes”, sustenta a empresa permissionária em nota.