Em São Bernardo, fisioterapia e reabilitação respiratória ajudam pacientes a retomarem rotina pós-Covid-19

Serviço oferecido na Policlínica Centro atinge 20% das pessoas internadas e que apresentam sequelas da doença

O eletricista José Rufo da Costa Filho, 39 anos, foi uma das 6.631 pessoas internadas com Covid-19 desde o início da pandemia em São Bernardo, segundo boletim atualizado em 22 de abril, e obteve alta médica. Com 85% do pulmão comprometido, Costa foi encaminhado para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital de Clínicas. Ficou por três dias com o equipamento de intubação ao seu lado, preparado para o procedimento, caso piorasse. Conseguiu se recuperar e saiu da UTI após 11 dias. Foi uma grande vitória. O que ele não imaginava, era que teria uma nova batalha contra as sequelas deixadas pela Covid-19.

Para isso, contou com o auxílio da fisioterapia e reabilitação respiratória, serviço oferecido pela Policlínica Centro. “Cerca de 20% dos pacientes internados sofrem com as sequelas da Covid-19. Depois da alta hospitalar, eles são encaminhados para as Unidades Básicas de Saúde (UBS), onde passam por avaliação do médico do local e, posteriormente, por um pneumologista. E, de acordo com o quadro, são encaminhados para a Policlínica Centro para a fisioterapia respiratória”, explicou o Dr. Geraldo Reple, secretário de Saúde de São Bernardo.

Este serviço começou no município em 2007 e o foco sempre foi o atendimento aos pacientes com doenças pulmonares crônicas, como enfisema, bronquite crônica, asma e fibrose pulmonar. E, em sua maioria, pacientes idosos. “Agora, devido à pandemia de coronavírus, estamos atendendo pacientes mais jovens, com sequelas semelhantes, como falta de ar, cansaço e dificuldade em realizar as atividades diárias. E são pacientes muito ativos, que deixam de trabalhar por causa das sequelas”, explicou a fisioterapeuta Nadine Machado.

O tratamento consiste em melhorar a força muscular, que os pacientes perdem por conta do tempo de internação e do comprometimento dos pulmões. Eles fazem atividade aeróbica na bicicleta ou na esteira, além de exercício de fortalecimento muscular com halteres, caneleiras, bola e elástico. O tratamento é individualizado e ocorre duas vezes por semana. O tempo de reabilitação varia de acordo com cada paciente, mas normalmente ocorre dentro de oito semanas.

“A boa notícia é que estes pacientes têm tido alta médica em até dois meses. A fisioterapia respiratória tem ajudado todos a voltarem a sua rotina diária, dentro do possível do que eles faziam antes”, complementou a fisioterapeuta Nadine. O eletricista José conta que, ao chegar ao serviço, não conseguia caminhar por três minutos.  “Ficava cansado, com dores nas pernas. Tinha de parar, respirar. Hoje consigo caminhar por 30 minutos, continuo com exercícios em casa. E eu já me sinto um vencedor. Creio que logo retorno ao trabalho”, disse.

DEMAIS SERVIÇOS – Além da fisioterapia e reabilitação respiratória, a Prefeitura de São Bernardo oferece mais dois serviços para apoiar pacientes com sequelas da Covid-19: Oxigenoterapia Domiciliar Prolongada, para pacientes que necessitam de suplementação de oxigênio, na Policlínica Centro, e serviços de reabilitação motora, neurológica e fonoaudiológica para os pacientes com disfagia, no Centro Especializado de Reabilitação (CER IV).

Para atendimento, a orientação é que o paciente procure a UBS de referência (mais próxima de sua residência) para avaliação e acolhimento, durante o horário de funcionamento da unidade. O tempo de reabilitação varia de acordo com cada paciente, mas normalmente ocorre de 8 a 12 semanas.