Cidades vão permitir reabertura de escritórios e concessionárias

Decisão teria sido comunicada ao governo do Estado e seguiria decisão de flexibilização da capital

Paula Cabrera com agências

As sete Prefeituras do ABC devem liberar a abertura de escritórios  e concessionárias de veículos a partir deste sábado (6/6), seguindo decisão do prefeito da capital, Bruno Covas (PSDB), que confirmou nesta sexta (5/6) a permissão de reabertura desses estabelecimentos.
Em assembleia extraordinária do Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, os sete chefes de Executivo teriam decidido assinar as permissões por meio de decretos, estabelecendo normas de funcionamento de revendedoras e escritórios.
A decisão foi comunicada ao secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi (PSDB), uma vez que o governo do Estado ainda não autorizou à região formalmente a flexibilização da quarentena imposta para conter o avanço do novo coronavírus.
Os prefeitos estão claramente descontentes com a decisão do Estado de manter a região na fase 1 do isolamento social, mas têm evitado confronto direto, primeiro porque boa parte dos prefeitos é aliado direto e filiado ao PSDB – caso dos prefeitos de Santo André, São Bernardo, São Caetano e Ribeirão Pires. Segundo porque a gestão de Dória aceitou separar o ABC da Região Metropolitana dentro do Plano São Paulo, planejamento estadual para retomada da economia.
Para evitar qualquer ação do Ministério Público contra os decretos dos municípios da região, o texto será semelhante ao confeccionado pela capital. Entre os pontos estão possibilidade de quatro horas por dia de atendimento ao público, restrição a 20% da capacidade total de ocupação, fechamento em horário de pico (das 7h às 10h ou das 17h às 20h), aferição de temperatura de clientes, além de exigência de uso de máscaras e álcool em gel à disposição.
Também ficou acertada reunião de Vinholi no Consórcio Intermunicipal neste sábado. O tucano deve vistoriar o Quarteirão da Saúde para verificar o pedido feito pela Prefeitura de Diadema – e agora pela entidade regional – para transformar o segundo andar do equipamento em um hospital de campanha com 100 leitos. Na visão dos chefes de Executivo da região, se houver abertura desse hospital de campanha e envio de mais respiradores, as sete cidades podem mudar de faixa dentro do Plano São Paulo. A região deve receber 70 respiradores para ampliar o atendimento de casos médios e graves e evitar um colapso de atendimentos.
Apesar de todos os cuidados, o ABC ainda não conseguiu desacelerar a curva de contágio do vírus. Em apenas 15 dias o número de casos dobrou, segundo dados do Consórcio. Os números levam em conta que atualmente as cidades tem feito isolamento com média de 45% de adesão.
A reabertura de comércios e escritórios pode acelerar ainda mais a disseminação do coronavírus.
Em 81 dias, desde os três primeiros registros confirmados- dois em São Bernardo e um em São Caetano, em 15 de março, o ABC já registra nesta sexta 9.120 casos e 700 mortes, 32 novas mortes apenas nas últimas 24h. No final de abril, a média era de 120 novos infectados por dia. Desde o dia 17 de maio, essa média acelerou visivelmente, com média de 250 por dia e, na semana passada, a média de novos casos acelerou novamente, para a casa dos 400.