Atila inaugura uma pedra no Terminal de Mauá

Poucos dias antes de deixar Prefeitura, socialista coloca na rodoviária monumento para nova obra, sem data de lançamento

Paula Cabrera

O prefeito de Mauá, Atila Jacomussi (PSB), inaugurou uma pedra no meio do Terminal Rodoviário Central nesta quarta-feira (16/12). Segundo o chefe do Executivo, o monumento seria “a pedra fundamental do Novo Terminal Rodoviário”.
“Agora teremos um espaço moderno por meio de uma PPP de 35 anos, com investimentos de R$ 81 milhões para modernização, reestruturação e exploração do espaço comercial. E mais: teremos integração tarifária entre ônibus e os trens da CPTM, para virar a página do trabalhador e da trabalhadora que não conseguiam o sustento da família por ter de pagar duas passagens”, afirmou Atila na publicação nas mídias sociais.
O evento, que aconteceu nesta tarde, mostra ainda o prefeito sem máscara, promovendo aglomeração sem qualquer preocupação com a pandemia e as dificuldades de leitos na saúde municipal.
Vale lembrar ainda que a reforma do terminal está longe de acontecer. A licitação está na mira da Justiça por supostas irregularidades.
O TJ-SP (Tribunal de Justiça de SP) suspendeu o contrato assinado com Paulista Obras e Pavimentação. A empresa, parceira de Atila em outros acordos na atual gestão, ofereceu a proposta com o maior custo, mas foi classificada após conquistar, por meio de contestação no processo de licitação, que as outras empresas que participaram do certame fossem desclassificadas.
O desembargador Paulo Barcellos Gatti, da 4ª Câmara de Direito Público, atendeu agravo de instrumento da empresa Esteto Engenharia e Comércio e determinou a suspensão do ato da Comissão Licitante que declarou como vencedora a empresa Paulista Obras e Pavimentação que, entre todas as quatro concorrentes, ofereceu a proposta mais cara: totalizando R$ 17,23 milhões pela reforma do terminal central.
A Esteto ofereceu realizar a obra por R$ 15,3 milhões. A economia nos cofres públicos seria de R$ 1,86 milhão.
A proposta mais barata da concorrência, entretanto, foi da Saga Engenharia Ltda, que faria os serviços por R$ 13,7 milhões (R$ 13.708.748,53). A diferença é de R$ 3,5 milhões (R$ 3.530.843,64). Mas ainda não há notícias de ações judiciais por parte da Saga.
Na ação, a Esteto argumentou que sua proposta é mais barata que a Paulista, quarta colocada e declarada vencedora, que sua desclassificação ocorreu por um “mero” erro de digitação e que a contração do valor maior pode trazer prejuízos aos cofres de Mauá.
A licitação se arrasta desde 2019, depois de cancelamentos e retomadas. As obras estão previstas no Plano de Mobilidade de Urbana, aprovado em 2017, que propõe a remodelação do Terminal Zaíra; a construção do Terminal Itapark e a remodelação do Terminal Itapeva e do central, totalizando os R$ 86 milhões.
As verbas para as obras vem do PAC Mobilidade, no valor de R$ 16,8 milhões, recursos provenientes do Orçamento Geral da União.