Prefeitura de Mauá manda questionário sobre retorno das aulas para pais

Segundo professores e pais ouvidos pelo JNC, questionário foi enviado antes do anúncio do Estado nesta quarta-feira

Paula Cabrera

A Prefeitura de Mauá se adiantou ao Estado e desde o início da semana tem enviado questionários aos pais com filhos matriculados nas escolas municipais sobre a possibilidade de retorno das aulas. Nesta quarta-feira (24/6) o governo do Estado anunciou o retorno das aulas apenas para setembro deste ano.
Segundo o Sindserv (Sindicato dos servidores do Município de Mauá), a administração já se prepara para chamar professores e ADIs (Auxiliar de Desenvolvimento Infantil) de volta ao trabalho presencial. Nesta quarta-feira (24/6) houve uma reunião, mas apenas técnica para acompanhar desdobramentos do trabalho remoto.
Uma mãe confirmou ao JNC ter recebido um questionário sobre o possível retorno das aulas com um vídeo da equipe de coordenação da escola, visivelmente desconfortável, justificando a possibilidade de retorno das atividades.
O questionário possui três perguntas: se a mãe tem com quem deixar as crianças em sua ausência. A data de preferência de retorno das aulas presenciais (agosto e setembro; outubro e novembro; nao mandaria neste ano) e seco filho está realizando atividades enviadas pelos peofessores.
“Já avisei que meus filhos não voltam esse ano, a não ser que surja vacina ou medicamento. Disse que são muito pequenos e não tem como se higienizar e não tem essa consciência de que não pode ter contato com amiguinhos, e que esse cuidado e responsabilidade não pode e nem tem condições de cair no colo dos professores e ADIs”, explicou a mãe.
Com o retorno das atividades do comércio, a informação não oficial é de Atila teria solicitado a reabertura para que mães pudessem deixar as crianças, caso não tivessem auxilio para voltar ao trabalho. O sindicato nega conversas nesse sentido de retorno às atividades.
O governo de São Paulo anunciou, no início da tarde desta quarta-feira (24/6), a retomada das aulas presenciais a partir do dia 8 de setembro.
O plano prevê um retorno geral, em conjunto para todas as cidades, e considera que na data estimada o estado estará na fase amarela de flexibilização da economia há 28 dias. A proposta ainda estabelece uma série de protocolos de higiene e distanciamento que devem ser cumpridos pelas instituições.
O plano também foi definido em três etapas, com o crescimento gradual do número de alunos em sala de aula.
A primeira etapa estabelece um retorno de até 35% do público para garantir um distanciamento de 1.5 metro. O distanciamento tem exceções, como é o caso da educação infantil, nas creches, já que não há como aplicar a medida entre bebês. A orientação para tais casos, entretanto, não foi apresentada pelo governo.
Na segunda etapa, 70% dos alunos voltam às escolas para as aulas presenciais e, na terceira, 100% de ocupação das salas, o chamado pelo governo como “novo normal”.
Além do reabertura gradual, a gestão estadual estabeleceu uma série de protocolos. Dentre eles, o uso obrigatório de máscaras e fazer aferição da temperatura das pessoas na entrada das escolas.
O governo do estado disse que vai disponibilizar os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) necessários aos funcionários para cada tipo de atividade, seja na educação, na cozinha, nos setores de limpeza e nos setores administrativos.

Os pais deverão aferir a temperatura de seus filhos antes de manda-los para a escola. Caso a temperatura esteja acima de 37,5°, por exemplo, a recomendação é que a criança não frequente a escola.
As escolas deverão organizar e estabelecer as entradas e saídas, evitando aglomeração, e preferencialmente fora dos horários de pico do transporte público.
“Ainda temos uma recomendação importante de que os intervalos e recreios devem ser feitos sempre em revezamento de turmas com horários alternados, ainda que na etapa 1, que tenhamos menos alunos, não pode ser um intervalo onde todos estarão juntos no mesmo horário”, disse Rossieli.
As atividades de educação física também deverão manter distanciamento e ocorrer, preferencialmente, em áreas livres.
O uso do bebedouro será proibido. Será fornecida uma caneca para que os estudantes e todos os profissionais tenham seu copo, para que tomem água.