Assessor da Deputada Carla Morando é investigado por distribuir material contrário a Volpi

Polícia registrou Boletim de ocorrência e pode dar andamento a processo por calúnia e difamação

Paula Cabrera

Um assessor da deputada estadual, Carla Morando (PSDB), deve ser investigado por distribuir material contrário à gestão do prefeito Clovis Volpi (PL) neste sábado (24/7) em Ribeirão Pires. Distribuir material sem assinatura pode ser considerado crime eleitoral e, fora do período de eleições, pode se caracterizar como calúnia e difamação.

A confusão teve início quando um adolescente foi abordado pela Guarda Civil Municipal, no bairro Santa Eliza, distribuindo panfletos com acusações e ataques ao atual prefeito de Ribeirão Pires. Quando questionado pelos GCMs, o adolescente informou que estava fazendo a distribuição a mando de seu tio, Gilmar Miranda, que é assessor da deputada.
O material trazia manchetes de um jornal capitaneado por Dedé da Folha (Cidadania) com informações sobre a instalação de Radares – que teria tido início ainda no governo de Kiko, e o recente revés de Volpi na Justiça ‘ o prefeito recorre de decisão que poderia cassar sua candidatura, além de outras polêmicas políticas.
Como o material é apócrifo (não possui assinatura) – um Boletim de Ocorrência foi aberto e a Polícia Civil vai iniciar um inquérito para investigar o caso sobre a possibilidade de abrir processo de calúnia e difamação.
Carla é aliada de primeira hora do ex-prefeito Adler Kiko Teixeira, que é secretário da gestão de seu marido Orlando Morando (PSDB), em São Bernardo do Campo. Morando precisou, inclusive, recorrer à Justiça para garantir que ele fosse empossado, já que Kiko foi condenado por improbidade administrativa e não poderia ocupar cargo público pela Lei da Ficha Limpa.
Em nota, a deputada estadual, Carla Morando, afirmou que “desconhece qualquer material ou ação feita contra o prefeito de Ribeirão Pires, Clovis Volpi. O assessor parlamentar, Gilmar Miranda, por ser sábado, está em seu dia de folga e não responde a serviço da deputada. Se for comprovado que ele cometeu qualquer irregularidade, vai responder civil e criminalmente. Carla Morando também destaca que é contra qualquer material que não reproduza fatos verdadeiros”.
Nas mídias sociais, o prefeito se manifestou sobre o assunto e deixou claro que deve dar andamento a um processo para responsabilizar possíveis culpados. “No dia de hoje (24/7), fui vítima de um crime cometido por um grupo político ( já identificado e divulgado por parte da imprensa). Um material apócrifo com mentiras contra mim foi distribuído por um adolescente a mando deste grupo político em alguns bairros da cidade. Os autores foram identificados, o Boletim de Ocorrência foi registrado e as investigações seguirão para responsabilizar criminalmente os culpados. Lamento muito que em tempos de liberdade de expressão e democracia em pleno funcionamento, grupos políticos prefiram o sorraterismo, o obscurantismo e o aliciamento de menor como forma de defender seus ideais. Seguirei sempre escolhendo o lado da verdade, das clarezas das ações, e do posicionamento público sem medo, como sempre faço; andando nas ruas e conversando com o cidadão. Seguiremos firmes no propósito de reestabelecer o crescimento da nossa cidade de Ribeirão Pires, que sofreu tragicamente com os demandos financeiros dos últimos anos.”