Mauá registra dez novas mortes e aumenta em 25% o número de óbitos

Paula Cabrera

Mauá registrou nesta quinta-feira (21/5) dez novas mortes pelo covid-19. O recorde negativo aumentou em 25% os registros de óbitos da doença na cidade, que somam 49 no total. Com o resultado, 5% das mortes registradas no Estado de SP (que possui 645 cidades) aconteceram em Mauá hoje. SP registrou 195 óbitos nas últimas 24h. A taxa de letalidade, segundo o boletim da Prefeitura, é de 15,9%, a mais alta entre as sete cidades da região.
A alta casa com as informações sobre um possível colapso na Saúde da cidade com falta de leitos de UTI para o atendimento dos casos mais graves.
Nesta quinta-feira, o JNC voltou a receber relatos sobre dificuldades de atendimento que incluiriam uma possível falta de respiradores disponíveis na UPA Barão por conta de um aumento no número de ocorrências. A Prefeitura afirma que mesmo com a possibilidade de ocupação total no equipamento, a capacidade total de leitos com respiradores não teria sido atingida na cidade nesta quinta-feira. Os sinais, no entanto, apontam para o estrangulamento do serviço de Saúde antes do pico da doença, previsto para as próximas duas semanas.
Na cidade, há ainda muita insegurança em relação ao número de casos registrados da doença. Enquanto a administração do prefeito Atila Jacomussi (PSB) aponta 308 casos, o governo do Estado divulga 643 confirmações da doença hoje, diferença de 335 casos, ou seja, o número estadual mostraria o dobro de registros da doença na cidade. O total colocaria Mauá como a 12a cidade com maior números absolutos de infectados por coronavírus no Estado.
A imprensa da Prefeitura diz que existe delay na atualização de informações, por conta de situações como moradores que testam em outros municípios, horário de emissão dos boletins e realização dos levantamentos. “É um desafio logístico estar tudo equiparado, todos os municípios tem diferenças”, diz a nota.
Para minimizar os problemas, a administração do prefeito Atila confirmou que trabalha para ampliar em 50% o número de leitos semi-intensivos e de UTI na cidade para atender aos pacientes de covid-19. O secretário de Saúde, José Luís Casarin afirmou que a escalada de casos na cidade tem sido motivo de preocupação entre a equipe de Saúde. Entre apenas 21 dias (entre 1° e 21 de maio) o número de casos dobrou na cidade.
Casarin diz que a Prefeitura quer ampliar os leitos semi-intensivos nas UPAs de dois para três e pretende dez novos leitos no Nardini, que teria 20 destinados aos casos de coronavírus. A liberação estaria sendo discutida com o governo do Estado para auxiliar na compra de respiradores.
O secretário confirmou ainda que o promotor José Luiz Saikali esteve em contato com ele nesta segunda-feira cobrando informações sobre leitos. “Pedi auxílio para podermos intervir em leitos no Hospital América e na Santa Casa, caso haja necessidade. Ele se comprometeu a me auxiliar nessas conversas”, justificou.