“Para fechar comércios, preciso do apoio do Estado com lockdown”, diz Volpi

Prefeito de Ribeirão Pires afirma que se transporte coletivo não parar, não há motivo para sacrificar comerciantes

Paula Cabrera

O prefeito de Ribeirão Pires, Clovis Volpi (PL), um dos mais ferrenhos defensores do lockdown no Estado, afirma que a reabertura dos comércios na cidade está ligada diretamente ao fato de o governo João Doria (PSDB) negar o lockdown e a solicitação de paralisação dos transportes coletivos. A fala foi feita durante live em suas mídias sociais na tarde deste domingo (4/4). “Não adianta sacrificar comerciantes sem lockdown. Preciso do apoio do Estado. O maior índice de contaminação e o governo não quer ver isso, é o transporte coletivo. Vocês vem as imagens na tv: trens, metrôs, ônibus lotados. Como vamos bloquear a disseminação desse vírus se não pararmos o transporte público? Muito difícil”, afirmou Volpi.
Para o prefeito, a reabertura de lojas na cidade não aumentará o ritmo das transmissões. “Não posso sacrificar os pequenos comerciantes. Fecho a papelaria e loto o mercado. Não faz sentido. Os comércios poderão abrir, mas em sistema de Drive-Thru e retirada. As galerias serão abertas. Porque há filas nas lotéricas, nos bancos. Temos de entender isso. Usar máscara, observar distanciamento e fiscalizar. Faremos isso”, disse.
Volpi afirma ainda que a cidade elaborou um novo protocolo que permitirá uma triagem na UPA Santa Luzia com um médico e o encaminhamento imediato de casos que não sejam de covid-19 para o Hospital São Lucas. “Isso deve ajudar a conter a disseminação”, avaliou ele, que relatou que a pressão no sistema de saúde municipal diminuiu muito nos últimos dias. “Temos sete enfermarias na UPA em atendimento, um intubado. 23 leitos no Hospital de campanha e quatro intubados. Tivemos uma morte nesse domingo, mas estamos muito melhor do que estivemos no começo de março”, avaliou o prefeito.