Atila dá calote e Mauá ficará sem limpeza

Funcionários que fazem capinação, limpeza de bueiros, de feira e varrição de ruas foram colocados em aviso-prévio nesta sexta-feira

Paula Cabrera

A empresa responsável pelos serviços de zeladoria em Mauá avisou, nesta sexta-feira (9/10), que deixará de atender aos trabalhos de limpeza de ruas, bueiros, capinação e roçagem a partir do dia 30 deste mês. Cerca de 70 funcionários foram pegos de surpresa com o aviso da demissão. Eles trabalharão em esquema de aviso-prévio pelos próximos dias. De acordo com os servidores, a empresa afirmou que a administração do prefeito Atila Jacomussi (PSB) não estaria cumprindo os pagamentos, o que teria motivado a interrupção da prestação de serviços. A Prefeitura não justificou se a situação pode causar problemas na limpeza da cidade
A empresa contratada para prestar os serviços em Mauá, por meio do programa Pintou Limpeza, é a A. Tonnani Construções e fechou contrato em novembro do ano passado, por R$ 8.520.152,54. O acordo vale até 27 de novembro. Apesar do alto valor do contrato que prevê “PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM FORNECIMENTO DE EQUIPES DE MÃO DE OBRA, MATERIAIS, EQUIPAMENTOS, VEÍCULOS E ERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA EXECUÇÃO DE VARRIÇÃO MANUAL E MECANIZADO E OUTROS SERVIÇOS DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO DE VIAS LOGRADOUROS E PRÓPRIOS PÚBLICOS”, a empresa teria recebido cerca de 13% do valor fechado durante este ano. As notas de empenho no portal transparência somam R$ 1,16 milhão, mas o mesmo portal confirma que apenas R$ 710 mil com pagamento efetivo realizado. “Eles nos pegaram de surpresa. Fomos trabalhar e recebemos o aviso de que o Atila não pagou a empresa e eles não conseguem mais bancar nossos salários”, explicou um funcionário que preferiu não se identificar.
Ainda no portal transparência há informações de sete pagamentos realizados neste ano, o último de R$ 646 mil, em agosto.

Empresa anterior também teve problemas com pagamento. A TB, empresa contratada anteriormente pelo serviço, também teve dificuldades para receber. Contratada em 2016, para prestar serviços até 2019, com valores de mais de R$ 10 milhões, a empresa teria recebido apenas R$ 70 mil, segundo o Portal Transparência. Os funcionários que atualmente prestam serviço pela Tonnani eram os mesmos contratados pela TB, que teria passado a administração do serviço para a nova contratada no ano passado.

Procurada, a administração do prefeito Atila Jacomussi não respondeu quem deve assumir os serviços na cidade e se a decisão poderá causar um colapso na limpeza pública- a empresa também faz os serviços de limpeza de fim de feira. O JNC não conseguiu contato com a TB ou a Tonnani Construções até o fechamento desta matéria.