Cleber Broch se reúne com Márcio Araújo

Empresário mauaense tem formado importante ato de alianças para apoiar sua possível candidatura no ano que vem

Paula Cabrera

O empresário Cleber Broch segue firme nas trativas de uma base aliada para ajudar nas eleições de 2022. Ele já não faz mais mistério ao confirmar que deverá concorrer a uma vaga na Assembleia Legislativa de SP. Nesta quinta-feira (12/8), ele se reuniu com o vereador e ativista social Márcio Araújo (PSD) para dialogar sobre bandeiras tanto em relação à diversidade quanto solidariedade. “Sei da importância do trabalho que Márcio faz no auxílio à famílias em situação de vulnerabilidade e também sua luta para programas de diversidade e inclusão do público LGBTQIA+. Ter o apoio dele é fundamental também para minha formação como cidadão. A gente sempre precisa estar atento na escuta de empatia para ajudar no que for possível”, diz Cleber.
O arco de apoio ao redor de Cleber não para de crescer. Além de Márcio Araújo, o presidente da Câmara de Mauá, Zé Carlos Nova Era (PL), tem sido figura frequente no escritório do empresário. Endossam ainda a lista os vereadores do PSDB, Eugênio Rufino e Leonardo Alves. “Como empresário, não perco oportunidades. Quando passam, eu sempre pego e vejo que esse é o momento de lançar meu nome na política e construir uma boa relação com os poderes é fundamental”, diz ele.
As conversas em torno de Cleber Broch também começaram a se afunilar. Ele segue bem próximo do PSB, mas o PSDB também segue forte na disputa por sua filiação. Diplomático, ele diz que a decisão final será tomada em grupo, com amigos, empresários, vereadores e lideranças políticas que tem composto seu arco de alianças.
Deve entrar na decisão, a força da chapa majoritária ao governo do Estado. Enquanto o tucanato se prepara para lançar Rodrigo Garcia, o PSB articula com Geraldo Alckmin. O ex-governador teria participado inclusive de encontro com Márcio França, seu antigo vice-governador, para acertar a ida ao partido ou ao PSD.
que segue em conversas com diferentes partidos políticos. “Eu sempre participei da política. Por ser empresário sei da importância de participar, isso mexe com a vida de todos, não dá para ser isento. Mas sempre estive nos bastidores, mas tem uma hora que a gente tem de se posicionar. Se sou quem sou hoje, devo muito a Mauá e sei que a cidade tem sofrido muito. Então decidi sim entrar na vida pública, mas de maneira alguma visando poder ou dinheiro. Quero fazer isso por Mauá e pelas cidades que precisam no ABC. Serei parceiro da Prefeitura, trarei emendas. Quero ser essa ponte que falta para ajudar a nossa cidade”, conclui.