Mauá completa 66 anos na expectativa de mudanças na política

Cidade completa mais um aniversário com diversos problemas, mas renovação na Câmara e na Prefeitura

Por Paula Cabrera

Mauá completa 66 anos nesta terça-feira (8/12) com um grande caminho a percorrer para garantir melhoria de vida aos seus moradores. A população deu um importante passo para demonstrar que aguarda mudanças: renovou 70% da Câmara e também o prefeito. Com um dos maiores PIBs – Produto Interno Bruto – per capita de SP – R$ 30 mil, a cidade possui assustadores 35% dos 468 mil habitantes em situação de vulnerabilidade social, com renda de apenas meio salário mínimo (R$ 499). Já a média de ganhos da população é de 3.3 salários (R$ 3.293). Os números mostram que os serviços públicos, em geral, são fundamentais para boa parte da população. Segundo vereadores, por exemplo, oito a cada dez moradores utilizam os serviços de saúde. A educação pública também é usada pela maioria. A média de alunos em ensino público é de quase 90% a partir de cinco anos e de 30% de zero a três anos. Os usuários do transporte público também são muitos. As 248 linhas atendem diariamente mais de 7 mil jornadas para levar da casa para o trabalho os mais de 100 mil usuários diários do serviço. O caminho a trilhar, no entanto, é longo. A dívida pública da cidade é uma das maiores do país. Diz estudo do TCE – Tribunal de Contas do Estado, que a dívida consolidada da cidade supera o volume arrecadado pela Prefeitura em um ano inteiro. “Trabalhamos com a ideia de encontrar o caixa da cidade como terra arrasada. Mas vamos ter calma para analisar isso e tentar colocar tudo no lugar”, afirma o prefeito eleito Marcelo Oliveira (PT). A pandemia também tornou a situação mais complicada. Além da pressão sobre o atendimento ao covid-19 e as inúmeras informações sobre falta de leitos de UTI, o atendimento de rotina e cirurgias eletivas foram escanteadas, tornando o tempo de espera e a fila pela realização ainda maiores. “Temos uma série de desafios, mas montaremos um comitê de crise para garantir que a Saúde de Mauá seja prioridade e para que possamos melhorar a situação de quem busca esses atendimentos”, afirma Marcelo. Na Câmara, a articulação mostra que Zé Carlos Nova Era (PL) deve ser escolhido presidente do Legislativo pelos próximos dois anos. Ele argumenta que o bloco de vereadores, montado com outros 13, se articulou para não permitir a votação de projetos impopulares. “Queremos representar nosso povo. Nenhum projeto que seja para onerar ou prejudicar a população será aprovado”, diz. Esse aniversário marcará uma das maiores renovações políticas já feitas na cidade. Com tanta mudança, os projetos para 2021 ainda são incertos, mas o combate ao coronavírus e melhorias na saúde deverão ser a pauta de discussões nos primeiros meses de governo. Moradora de Mauá desde o nascimento, a desempregada Michelle Aparecida dos Santos, 36 anos, acreditava na renovação política em entrevista publicada aqui no ano passado. Com todas as trocas, a moradora do Zaíra e mãe de três, segue animada com o futuro. “Mostramos nossa insatisfação na urna. Quem entrou sabe agora que o povo mudou. Não vai aceitar ficar calado diante de um governo ruim. Vamos esperar que esses eleitos façam uma boa gestão”, diz.