Redes sociais ficam 6h fora do ar nesta segunda

Houve problemas em diferentes plataformas e não há confirmação de causa

Das agências

As redes sociais como Facebook, WhatsApp, Facebook Messenger e Instagram ficaram fora do ar por mais de seis horas no país. O apagão acontece em diferentes países, com maior número de reclamações no Brasil, Índia e Estados Unidos.
O problema começou na hora do almoço. Perto das 13h, eram cerca de 52 mil reclamações contra o WhatsApp, 15 mil contra o Instagram e 7.500 contra o Facebook, de acordo com o site downdetector. Com a alta demanda de usuários, o Telegram também enfrenta instabilidade na tarde desta segunda-feira (4/10). Além deles, Twitter, Google, Whatsapp Business, Microsoft Teams, TikTok, Gmail, Youtube, Facebook Messenger, Google Meet, Zoom, Spotify, Google Play, Amazon, Outlook, Discord, SnapChat, NuBank, Caixa, Bradesco e Itaú também enfrentam falhas no aplicativo, com instabilidade para acesso de alguns usuários.
Ainda não há explicações oficiais sobre a queda das redes sociais, mas algumas hipóteses estão sendo apontadas.
O site The Verge, especializado em cobertura de tecnologia, afirma que “o problema é aparentemente” o DNS (Domain Name System, ou Sistema de Nomes de Domínio).
O DNS é a “agenda de contatos” da internet. É ele que registra os números (endereços de IP) associados aos “nomes de domínio” (como “globo.com”).
A internet só funciona com números, então essa “agenda” cumpre o objetivo de permitir consultas (chamadas de “resoluções de domínio”) para que qualquer pessoa possa saber o número de IP do site que pretende acessar. Se acontece uma falha, o acesso à página fica indisponível porque não é possível encontrar o caminho certo para chegar nela.
Para algumas pessoas que tentaram acessar Facebook, Instagram e WhatsApp, apareceu um “Erro 500” ou “Erro 5XX”. Esse tipo de mensagem geralmente indica uma dificuldade do computador do usuário se comunicar com o servidor do site ou aplicativo.
O BGP (Border Gateway Protocol, ou Protocolo de Entrada da Fronteira) também pode ser um dos motivos. Ele é uma espécie de conjunto de regras responsáveis por conectar as redes de internet.
O jornal New York Times, por exemplo, por meio de fontes do departamento de segurança do Facebook que quiseram anonimato, sustenta que a possibilidade de um ataque hacker é improvável. A explicação seria a sincronia da queda das três redes, que possuem tecnologias diferentes.
O jornal americano diz ainda que a plataforma interna de comunicação da empresa, Workplace, também saiu do ar.
Já o britânico Financial Times destaca que o apagão ocorre um dia antes de uma funcionária da companhia testemunhar no Senado americano. Frances Haugen foi a responsável por fornecer os documentos internos da empresa que deram origem a uma série de reportagens do Wall Street Journal.
O veículo afirma, por exemplo, que a companhia estava ciente desde 2019 de que o Instagram, rede social da qual é dona, é potencialmente danoso para a saúde mental de meninas adolescentes.