Móveis Bartira demite 500 e fecha turno em São Caetano

Empresa dispensou 38% da força de trabalho, parte dos funcionários recebeu aviso por telegrama

Das agências

Pelo menos 500 trabalhadores foram dispensados na segunda-feira (10/1) pela Móveis Bartira, empresa do grupo Via Varejo, com sede em São Caetano. A empresa possui 1.300 funcionários e demitiu quase 40% do quadro com a justificativa de “readequação do quadro de colaboradores”. O grupo eliminou um turno.
Os funcionários estavam de férias coletivas desde o dia 20 de dezembro. Os que trabalhavam no período da manhã foram comunicados dos cortes ao chegar à empresa. Os do turno da tarde receberam um telegrama com a notícia de que não faziam mais parte dos planos da fabricante de móveis.
“Informamos que a partir de 10/01/2022 necessitaremos realizar ajustes na fábrica e com isso se faz necessário a readequação do quadro de funcionários da Fábrica de Móveis (Bartira). Desta forma, comunicamos que a partir de 10 de janeiro de 2022, você está dispensado de suas atividades na empresa”, dizia o texto enviado aos demitidos. Em seguida havia um agradecimento pela “cooperação e colaboração” e marcação do dia, local e horário para a realização do exame demissional.
Um dos trabalhadores dispensados, que preferiu não se identificar, conta que a produção já estava reduzida desde o ano passado, quando ocorreram as primeiras demissões. “A princípio encerraram o turno da noite, com demissão de aproximadamente 70 funcionários. Depois, com o passar do tempo, começamos a perceber que o movimento para os outros turnos (manhã e tarde) também diminuiu, o que preocupou os outros funcionários”, diz.
Mesmo os funcionários com mais de 20 anos de fábrica entraram para a gama de demissões. “Tinham funcionários no período de instabilidade, outros em período de estabilidade, mas todos receberam os mesmos telegramas. Não importa se você tem dois ou 20 anos de casa, te tratam da mesma forma, sem nem se importarem se você tem ou não família para sustentar”, reclama o trabalhador que estava prestes a completar 6 anos na empresa.
Pela manhã um representante do sindicato da categoria enviou áudio aos operários lamentando os cortes e aconselhando os demitidos que tenham controle no uso das verbas rescisórias por causa da dificuldade de se recolocar e também por conta das novas variantes do coronavírus e do surto de gripe. “O sindicato foi pego de surpresa, não contávamos com essas demissões. Achávamos que todas já tinham sido feitas”, afirmou. .
Em nota, a empresa informou “que realizou uma readequação do quadro de colaboradores, eliminando um turno de atividades. Todos os profissionais desligados estão recebendo apoio e orientações para recolocação”.