Doria nega lockdown em SP

Publicação feita em diário oficial sobre medida seria de projeto rejeitado na Assembleia Legislativa

Das Agências
O governador João Doria (PSDB) negou nesta quinta-feira (21/5) a implantação de medidas drásticas de isolamento social (“lockdown”) no estado de São Paulo, a partir do próximo dia 1º de junho. As regras, que faziam parte de emendas sugeridas pelo deputado estadual Paulo Fiorilo (PT), foram rejeitadas em uma comissão na Assembleia Legislativa de São Paulo e não têm validade, mas acabaram publicadas em uma edição suplementar do Diário Oficial nesta quinta-feira (21) e causaram confusão.​

De acordo com publicações na página 9 do Diário Oficial, o “lockdown” restringiria a circulação da população paulista entre 1º e 15 de junho e implantaria bloqueios sanitários em rodovias paulistas. “Fica permitida a circulação de pessoas e veículos vinculados aos serviços essenciais discriminados no Decreto Estadual 64.881, de 22 de março de 2020, aos serviços de advocacia e imprensa”, diz trecho da emenda número 3 ao PL (projeto de lei) 351.

Doria usou a internet para corrigir o erro, alertando sobre fake news (notícias falsas) compartilhadas em redes sociais sobre o “lockdown” em junho, que viralizou em grupos de WhatsApp . “O que está em vigor no Estado é um decreto de quarentena, até 31 de maio”, afirmou o tucano, se referindo ao isolamento social determinado por sua gestão, em 24 de março.